Read more

2121 – Capítulo 28

Ler capítulos anteriores

Capítulo 28 – Asfixia

 

Abriu lentamente os olhos, estranhou o escuro, mas uma dor lancinante atrás da cabeça roubava toda sua atenção naquele momento. Sentiu o piso gelado do chão sob seu corpo, estava deitada de lado com as mãos amarradas a frente. Piscou com força, tentando enxergar algo, estava tão confusa que esquecera que havia perdido a visão.

Finalmente Theo se deu conta que não enxergaria nada, e de como chegara naquela situação, o restaurante, a pancada na cabeça, Theodore.

Tentou levar as mãos à cabeça, notou que estavam atadas, quase entrou em pânico ao perceber. Sentiu cheiro de pizza, cheiro de mofo e pizza de queijo. Debateu-se no chão até conseguir se erguer, sentando-se. Não fazia ideia quantas horas havia estado descordada, o quarto estava escuro, mas poderia estar claro do lado de fora.

Tentava entender o que estava acontecendo, refazendo os últimos passos. Quem sequestrou quem? Mantinha a testa franzida, tentando unir as poucas peças que tinha. Será que Mike levara Sam; e Theodore, ela? A mando de quem?

Resolveu desbravar o ambiente, não sabia onde estava nem a dimensão do cômodo onde havia sido atirada, nem se havia alguém ao seu lado. Nenhum ruído, nenhuma voz, parecia algum local afastado.

Ficou de pé, andando devagar com as mãos unidas erguidas, conhecendo as paredes e limites do quarto. Paredes geladas e uma cama sem colchão, foi tudo que encontrou, além de uma janela fechada e coberta com tábuas. Estava frio, sem casaco, mas não sentia frio, ainda não.

Sentou-se na cama sem colchão, colocou o cabelo para trás das orelhas, e ali permaneceu por alguns minutos, com o olhar fixo no chão.

– Pegue a porcaria do último pedaço! – Ouviu uma voz grave masculina ao longe.

– Baixe o tom quando falar comigo. – Reconheceu a voz do interlocutor, era Theodore.

– Por que? Só por que é o queridinho do chefe? Falo como quiser.

– Maldita hora que contratei você, não consegue cumprir uma ordem minha do jeito que peço. – Theodore disse.

– Vai me encher o saco por causa dessa merda? Se quiser volto lá e dou uns tiros no chão, para garantir.

Theo já estava de pé, próximo da porta, ouvindo a conversa atentamente.

– Custava ter feito como mandei? Bastava dar um tiro na cabeça e jogar na cova. Mas você quis bancar o vilão de filme de terror.

– Vai dizer que nunca teve vontade de fazer isso?

– Enterrar uma mulher viva? Não, não tenho esses fetiches estranhos. – Theodore respondeu.

Theo arregalou os olhos e afastou-se da porta, aterrorizada.

– Relaxa, já era, a garota já bateu as botas.

– Espero que sim.

– Enterrei a garota naquele caixote tem mais de três horas, é claro que já morreu, o oxigênio ali dentro não dura muito tempo. – O homem de voz grave explicava, de boca cheia.

Theo movia a cabeça de um lado para outro, em desespero.

– Sam… – Balbuciou baixinho, com pavor.

Theo deu alguns passos pelo quarto, o ar lhe faltava, então eles voltaram a falar.

– Enterrou naquela cova embaixo da árvore ou foi burro o bastante para não perceber que já tinha um buraco cavado? – Theodore perguntou.

– Burro é você. Se começar a me ofender vou abandonar o barco, vai ter que levar essa prostituta sozinho.

– É mesmo? Vai abrir mão do meio milhão que foi prometido? Duvido. E eu acho que deveríamos dormir, vamos sair cedo para o aeroporto.

– Você alugou uma casa sem colchões, viu quem é o burro nessa história?

– Pare de reclamar, temos cobertores. – Theodore fez um pequeno silêncio. – Onde deixou a pá?

– Lá.

– Deixou a pá lá fora?

– Sim, junto a árvore.

– Por que?

– Para o caso de precisarmos desenterrar o corpo.

– Para que?

– Sei lá, certificar que a moça morreu mesmo, exumar o corpo. E quer saber o que eu acho? Que não precisávamos matá-la, nossa encomenda está lá no quarto, para que matar aquela menina? Ela tinha aquelas placas de soldado pendurada no pescoço, eu matei um soldado, isso não está certo, meu pai era militar, era um homem honesto, um homem bom, aquela moça também deveria ser uma boa moça, eu não queria ter que fazer isso, poderíamos ter a largado em algum local ermo.

– Crise de consciência agora, Tom? Eu tenho convivido com essas pessoas, essa soldado que você matou era apaixonada pela garota que está no quarto, ela faria de tudo para encontrá-la, seria uma pedra no nosso sapato.

– Elas eram namoradas?

– Acho que sim.

– Nossa… Eu matei a namorada da menina do quarto.

– Pare de sentimentalismos. Eu vou lá dar uma última conferida nela, e você vá dormir, tem cobertores no outro quarto.

Theo tremia de frio e tensão, trajava apenas uma camiseta preta. Com os dentes, tentava desatar os nós na corda que prendia suas mãos, avidamente.

Theodore jogou a caixa de pizza vazia dentro da pia, colocou a arma na cintura e foi para o quarto onde estava Theo.

Ela ouviu os passos e foi para o lado da porta, aguardar sua entrada. Assim que a porta se abriu, ela investiu na direção dele. Já com as mãos soltas, envolveu o pescoço de Theodore com a corda, o sufocando.

Ele tentava soltar-se, puxando a corda de seu pescoço, estava ficando vermelho, tentando esbravejar, sem sucesso. Enquanto Theo entrelaçava com força a corda com ambas as mãos, atrás dele, sua mão ferida voltou a sangrar, sujando o curativo.

Theodore venceu aquela batalha de força, conseguindo puxar a corda e soltar-se, respirando de forma ofegante, com as mãos no pescoço. Theo correu na direção da porta, sendo impedida por ele, que a atirou no chão.

– É assim que você agradece sua carona? Só estou tentando te levar de volta. – Theodore disse, ainda com a respiração forte.

– Vocês mataram a Sam! – Theo falou com pavor, ainda sentada no chão, apoiada nos cotovelos.

– Eu fiz um favor, aquela garota não estava nem aí para você.

Theo levantou-se, Theodore se posicionou em frente à porta, de forma defensiva.

– Quem contratou vocês?

– Sigilo profissional, garotinha.

Theo corria os olhos pelo chão, com semblante aterrorizado.

– Elias? Elias te contratou por meio milhão? Eu posso conseguir mais que isso, eu posso te pagar o dobro. – Theo barganhava.

Theodore riu, com deboche.

– Até ontem vocês estavam contando dinheiro para pagar o jantar, e quer que eu acredite que você tem um milhão?

– Não tenho, mas posso arranjar.

– Estou transportando uma criminosa, então? Achei que era apenas uma prostituta.

– Eu posso dar um jeito, me deixe sair desse quarto e fazer umas ligações.

Theodore riu novamente, e virou-se para a porta.

– Tire um cochilo, vamos sair daqui a pouco.

Theo correu na direção dele, como num ataque de futebol americano, o derrubando no chão. Uma batalha travava-se na horizontal, Theo tentava acertar violentamente seu rosto, ao mesmo tempo em que se desvencilhava das mãos dele. Rolaram pelo piso gelado, ela mordeu a mão de Theodore, que enfureceu-se ainda mais.

Theo percebeu a arma presa na cintura de Theodore, ela escorregou sua mão na direção da arma rapidamente. Quando a tocou, Theodore colocou sua mão por cima da dela, que sentiu os dedos grossos apertando os seus, agora ambos seguravam a pistola, numa disputa acirrada. Rolaram novamente pelo chão, e a ação cessou quando um tiro foi disparado.

A porta se abriu e o outro homem surgiu de forma afoita.

– Isso foi um tiro? – Perguntou assustado, ao ver Theodore caído no chão e Theo de pé.

– Tom, ela está com a arma! Atire nela!

Ele sacou sua arma que estava presa às costas, Theo ergueu rapidamente a pistola e atirou seis vezes na direção de onde ouvira a voz do homem. Ouviu o corpo do grandalhão caindo. Percebeu que Theodore levantara-se, mas havia perdido sua localização.

– Não se aproxime, eu vou atirar! – Theo dizia nervosamente, movendo a arma pelo ar, com ambas as mãos, dando passos para trás. – Não se aproxime!

– Eles pediram que eu entregasse a encomenda com vida, mas direi que aconteceu um incidente.

Com a fala de Theodore, ela mirou em sua direção e disparou duas vezes, no terceiro disparo apenas um clique foi ouvido, as balas haviam terminado.

Aguardou algum ruído, algum movimento de Theodore ou do outro homem. Tentava controlar a respiração para ouvir o som ao redor, tremia as mãos, que ainda seguravam a arma em riste, mesmo sem balas.

Um minuto se passou, ambos pareciam desfalecidos, deu alguns passos calculados e receosos na direção deles, até encontrar o primeiro, que ela acreditava ser Theodore. Empurrou com o pé, aguardando alguma reação, mas nada aconteceu. Caminhou até a porta, onde encontrou o segundo corpo, efetuando o mesmo procedimento, e novamente parecia inerte.

Abaixou-se, tateando o chão em busca da outra arma, encontrou algum tempo depois, havia caído longe de Tom. Ergueu-se e guardou a arma na borda da calça.

– Amadores. – Resmungou, agora com a respiração voltando normal.

Deslizou a mão logo acima da cintura, no lado direito, percebeu o sangue quente que molhava sua camiseta, havia levado o tiro no embate no chão.

– Mas que droga. – Levantou a camisa e sentiu o pequeno orifício. – Porra! Porra!

Baixou a camisa, estava com um semblante colérico.

– Não, hoje não. Que se foda.

Saiu tateando a casa, tateava com pressa, andou por todo o corredor, entrou na cozinha e saiu, até finalmente chegar numa sala ampla, sem móveis, encontrando a porta de saída.

Haviam dois degraus após a porta, que não foram percebidos, acabou caindo de joelhos num pátio de concreto.

Levantou-se rapidamente e caminhou até perceber que pisava num campo gramado. Ouviu o barulho de águas, logo à frente deveria passar algum riacho ou córrego. Andava a esmo pelo campo, suas mãos eram seu radar, encontrou uma árvore e animou-se.

Procurava pela pá que fora deixada por Tom, de joelhos tateava o solo ao redor da árvore, em busca também de terra recém mexida. Mas não achou nenhuma das duas coisas.

– Tem outras árvores. – Percebeu com o barulho do vento que as faziam farfalhar levemente.

Buscava outra árvore, e logo a encontrou, porém novamente não havia indícios de pá nem terra revirada.

Nos cinco minutos seguintes encontrou mais três árvores, mas sua busca continuava zerada. Foram mais vinte minutos angustiantes procurando por outras árvores, mas acabava sempre nas mesmas cinco árvores de sempre, deduziu que ali essas eram as únicas árvores, e que Sam talvez estivesse enterrada em algum outro lugar.

Foi até a margem do riacho, parou já com os pés dentro da água, submersos até os tornozelos, tentava ouvir o que havia do outro lado, mas não conseguia vislumbrar aquela paisagem, nem a profundeza do rio.

Ajoelhou-se nos pequenos seixos da margem, esfregou as mãos no rosto, com desolação. A água fria corria agora por cima de suas pernas, fechou os olhos, concentrou-se nos sons ao redor. Conseguiu ouvir a presença de outras árvores mais à frente, do outro lado do rio. Imaginou que as águas não seriam profundas o suficiente para encobri-la, nem que a correnteza teria força para arrastá-la, ergueu-se e entrou nas águas, dando cada passo com cuidado e tensão.

Alguns poucos passos depois, que levaram um bom tempo, a água já alcançava sua cintura e sua perfuração, lavando sua camiseta. Levava na mão direita a arma erguida para o alto, para que não molhasse. Agora o frio fazia tremer seu queixo.

O passo seguinte afundou mais do que o esperado, as pedras haviam terminado e caíra em solo arenoso, com a água chegando na altura do peito.

Hesitou em continuar, não fazia ideia de como seria o restante do trajeto, nem o quanto o leito do rio se estenderia. Com força, moveu a perna a frente, enfrentando a correnteza, dando um passo. A água continuava na mesma altura, o solo ainda arenoso. Com mais dois passos difíceis, sentiu novamente pedras abaixo de si. Sem querer perder mais tempo, resolveu caminhar com mais velocidade, mesmo sem saber o que havia a sua frente. Finalmente subiu uma última pedra e abandonara de vez as águas geladas do rio.

Do outro lado, recomeçou sua busca por árvores, achou uma pá pousada no tronco já na segunda árvore encontrada. Ajoelhou-se rapidamente em busca de terra remexida, encontrando uma região onde a terra parecia mais fria e fofa.

Com visível pressa e apreensão, cavava com determinação, apesar da mão esquerda incomodar ao ponto de ter que interromper para uma rápida sacudidela de tempos em tempos.

– Sam! Sam! – Gritava enquanto cavava, mas não havia nenhuma resposta.

Havia removido dezenas de quilos de terra, os músculos do braço doíam, chegando à quase exaustão, pelo menos meio metro abaixo já havia sido descoberto, mas nenhum sinal de que houvesse algo ou alguém por ali.

– Sam! Fale comigo! Fale algo!

Parou ofegante, tentando ouvir algo, mas apenas o barulho das águas e das folhas das árvores eram ouvidos.

Cavou mais uma boa quantidade de terra, até bater com a pá em algo rígido. Bateu mais algumas vezes, percebendo que era algo de madeira.

Continuou removendo a terra que havia acima daquela superfície, agora com mais velocidade. Jogou a pá para o lado e cavou o restante com as mãos, atirando a terra para trás.

– Sam, você está aí? – Theo bateu na madeira com a mão espalmada, suas roupas estavam encharcadas.

– Aqui. – Ouviu um som abafado e fraco vindo de baixo.

– Sam! Te achei! – Theo arregalou os olhos, que brilhavam agora.

Atirou-se sobre a madeira, encostando o ouvido.

– Sam, sou eu, eu vou te tirar daí, fique calma. Aguente firme!

– Me ajude… – A voz era baixa e fraca, mas reconhecível.

– Já vou! Eu.. Eu tenho que abrir isso. – Theo movia a cabeça procurando o que fazer. – É uma caixa de madeira, certo? Eu vou sair de cima, e você tenta empurrar, ok?

– Theo.

– Sim?

– Não consigo. Não consigo respirar. Me ajude. – Sam falava pausadamente, sem forças.

Theo estava ajoelhada sobre a madeira clara, abaixou-se, tateando, procurando alguma abertura ou forma de abrir aquilo. Nas bordas percebeu que haviam pregos encravados.

– Está pregado, Sam, eles pregaram a tampa! Preciso que você force daí de dentro, use as pernas e braços. – Theo disse, saindo de cima.

Não houve resposta.

– Sam? Está me ouvindo? Preciso que empurre, eu já saí de cima e tem pouca terra agora.

Novamente apenas silêncio.

– Fale comigo!

Theo ouviu um ruído baixo na madeira, algumas pancadas de leve.

– Empurre! Vamos lá, oficial, você é forte, tente de novo!

– Theo… Eu não…

– Porra! Ok, não se desespere, eu vou dar um jeito. Não morra agora, ok?

Theo pulou novamente para dentro da cova, ficando com os pés afastados em cima do caixote. Tomou a pá e fechou os olhos, criando coragem.

– Sam, preciso que você fique o máximo a direta que conseguir. Me ouviu? Tente deslizar um pouco, coloque sua cabeça encostada na parede a direita. A sua direita, não a minha, só para esclarecer.

– Ok.

– Eu vou bater na sua esquerda, prepare-se.

Theo ergueu a pá e bateu com força no lado esquerdo da madeira, tirando apenas farpas. Bateu com mais violência, soltando um brado raivoso, e a madeira partiu-se. Aplicou mais alguns golpes, percebeu que já havia um buraco. Largou a pá e ajoelhou-se, enfiou a mão pela fresta aberta, encontrando o braço de Sam.

– Aguente firme, agora você tem ar, eu vou dar um jeito de abrir o resto. Fique calma ok? Respire devagar, o ar está entrando. – Disse com a mão pousada em seu braço, que estava frio.

– Ok, estou respirando.

Colocou a lâmina da pá na fresta, forçou o cabo contra sua perna, a madeira não se movia. Afastou a perna e tentou novamente, agora forçava o máximo que podia, e soltava grunhidos. Finalmente uma das duas tábuas que formavam a tampa foi arrancada.

– Consegue sair? Eu vou tentar arrancar mais um pedaço. – Theo perguntou, ajoelhada ainda segurando a pá, com desespero.

Quase caiu para frente quando Sam a abraçou, com fulgor. Theo esboçou um sorriso aliviado, e também a abraçou da mesma forma.

– Está tudo bem, está tudo bem, oficial. – Theo corria sua mão pelas costas de Sam.

Sam segurou seu rosto e lhe deu um beijo afoito.

– Obrigada. – Sam sussurrou, seu semblante ainda era de pavor, estava pálida, mas aliviada.

Theo estendeu a mão, encontrando a cabeça de Sam.

– Você está bem? – Theo disse correndo sua mão pelo rosto dela.

– Sim, agora sim.

– Se machucou? Tem sangue aqui.

– Acho que foi uma pancada na cabeça. – Sam levou a mão ao local ferido, percebendo o sangue próximo da testa. – E você?

– Como você aguentou todo esse tempo aí embaixo?

– Não sei, eu já não tinha praticamente ar algum, estava tendo pequenos desmaios. – Sam falava aterrorizada. – Meu Deus, que pesadelo, sempre tive pavor que isso me acontecesse, achei que só acontecia nos filmes… Que merda, que merda… Achei que as coisas terminariam assim, dessa forma horrível.

– Você vai ficar bem agora, vamos sair daqui, temos um rio para atravessar.

– Rio? Tem uma ponte logo abaixo.

– Ah… Adivinha quem não viu a ponte?

Theo já estava fora da cova, ajudando Sam a sair de lá, quando ouviu tiros em sua direção.

– Abaixe-se! – Sam gritou, a puxando de volta para o buraco.

– Acho que alguém não morreu. – Theo disse.

Sam ergueu-se devagar, dando uma olhada rápida para fora, outro tiro foi disparado.

– Theodore?? Theodore está por trás disso? – Sam perguntou, com espanto.

– Está, e pelo visto é imortal, porque acho que acertei algum tiro nele.

Theodore caminhava com dificuldade, com a arma apontada para elas, metade de sua camisa e sua gravata aberta estavam tingidas de vermelho, mancava.

– Você tem alguma arma? – Sam perguntou.

– Tenho. – Theo tateou a cintura. – Mas não sei onde deixei, deve estar aqui ao redor.

Sam levantou, olhou ao redor e encontrou a arma, abaixou-se novamente.

– Não se levante. – Sam ordenou, ergueu-se fazendo mira em Theodore, que já estava próximo.

Atirou com precisão, duas vezes, o atingindo no peito e na cabeça, o corpo despencou para trás.

– Venha. – Sam saiu da cova, auxiliando Theo. Pegou em sua mão e correram na direção dele, Sam ajoelhou-se ao seu lado, e certificou-se que estava morto.

– Agora morreu? – Theo perguntou.

– Agora sim.

Theo balançou a cabeça, pensativa.

– Adeus, Theodore.

– Nunca fui com a cara dele mesmo. – Sam resmungou.

– Tem outro cara, dei cinco ou seis tiros, mas nunca se sabe, minha mira às cegas não é tão boa.

Atravessaram a ponte de madeira, Sam deixou Theo do lado de fora de casa com a arma de Theodore, e foi checar o segundo elemento, no interior.

Theo aguardava de forma impaciente, andando de um lado para o outro. Sua roupa, ainda molhada, estava suja de terra, bem como seu rosto e suas mãos.

– Sam, você está demorando, vou entrar! – Theo foi até a porta gritar.

Já no primeiro degrau foi impedida por Sam, que a segurou pelos ombros.

– Eu estava procurando o token do carro deles.

– Achou?

– Sim, vamos.

Sam tomou sua mão e seguiram para o grande carro branco que estava parado em frente à casa. Saiu dirigindo pela estradinha de terra rodeada de árvores, até chegar à autovia.

– Sabe para onde ir? – Theo indagou.

– Vamos buscar nosso carro no restaurante. – Sam mexia na tela no painel. – Menos de dez quilômetros daqui.

– E se tiver mais deles lá?

– Não sei, acho que não. – Sam ainda levava em sua expressão o terror das últimas horas em que passara embaixo da terra, um de seus maiores medos, suas mãos tremiam. – Por que Theodore fez isso? Por que ele quis me matar? E justamente desta forma, é uma das piores formas de morrer!

– Eu também não entendo o que aconteceu. – Theo dizia, se recuperando de toda a ação, pensativa.

– Ele queria você?

– Sim, pelo visto eu era o alvo. Espera, do que você está falando?

– Ele parecia interessado em você, e você parecia lhe dar esperança.

– Não, não, claro que não. – Theo dizia, incomodada. – Pelo amor de Deus, Sam, que besteira! Ele foi contratado por alguém, só não sei por quem.

– Elias, certo?

– É, deve ter sido Elias… – Theo respondeu cabisbaixa, esfregando o pulso esquerdo.

– Ele é insistente, mesmo aqui no Brasil ele continua te procurando.

– Sim.

– Você está bem?

– Estou. – Theo passou as costas da mão na testa, sujando ainda mais seu rosto.

Sam riu.

– Você parece uma toupeira, toda suja de terra.

Theo continuou com semblante fechado.

– Porque eu cavei a sua cova.

– Eu sei. Você enfrentou aqueles dois caras sozinha? E venceu? – Sam perguntou, incrédula.

– É o que parece.

– Você conseguiu vencer dois homens, fugir do cativeiro, descobriu o que havia acontecido comigo, me encontrou, atravessou um rio, cavou minha cova e me resgatou. Sozinha?

– Do que você está falando? – Theo rebateu, com irritação.

– Fala sério, Theo. Você fez tudo isso sem ajuda de ninguém? Quem te ajudou?

Theo não respondeu prontamente, moveu a boca irritada, ensaiando falar algo.

– Vá a merda, Sam.

Sam assustou-se com a resposta dela.

– Hey, só achei meio impossível você ter feito tudo isso sozinha, você não enxerga, e é só uma garotinha. Ninguém te ajudou mesmo?

– Sério, vá a merda.

– Ok, não está mais aqui quem falou.

– Estamos chegando?

– Chegamos.

– Permaneça alerta, pode ter ficado algum deles aqui. – Theo orientou, já abrindo a porta.

Assim que desceu do carro, tropeçou em alguns galhos, caindo de bruços em um terreno de folhas secas.

– Que porra de lugar é esse?? – Theo exclamou, se levantando.

– Não é o estacionamento do restaurante, eu vou abandonar esse carro aqui dentro da mata, e vamos a pé até lá. Estamos perto, uns trezentos metros. – Sam respondeu, indo em sua direção. – Você caiu?

– O que acha?

Sam a segurou no alto do braço direito, ajudando a erguer-se.

– Não, não, me solte, me solte! – Theo reclamou, com feições de dor, soltando seu braço.

– O que foi?

– Merda… – Curvou-se, com a mão sobre o local do tiro.

– O que foi, Theo?

– Você tem uma pinça na sua caixa médica?

– Pinça? Para que você quer uma pinça?

– Uma pinça grande, você tem?

– Ãhn, tipo uma pinça médica? Acho que sim, mas não muito grande. Mas para que?

– A bala não saiu do outro lado, preciso tirar antes que infeccione. – Theo disse, erguendo a camisa, exibindo o orifício que sangrava discretamente, continuava com feições de dor.

– Você levou um tiro?? – Sam indagou, atônita.

 

Asfixia: s.f.: Suspensão dos fenômenos da respiração e da circulação do sangue, seguida de morte, real ou aparente, causada por estrangulação, submersão, ação de gases irrespiráveis etc.; morte por falta de respiração ou de ar respirável; sufocação.

Ler capítulo 29

Facebook

comentários

Comments (26)

  1. Cristiane Schwinden

    Tia Clara, acho que devo avisar então de antemão que o capítulo "Violação" é sobre violência, e está bem pesado. Me confundi, não é o 32, é o 31, mas de qualquer forma eu farei um alerta aqui no blog quando publicá-lo, porque sei que ele pode causar sensações ruins devido ao forte teor.
    O capítulo é tão forte quanto Theo.

    Reply
  2. Maria Clara Batista

    Cristiane Schwinden , espero realmente que o título do capítulo 32 seja apenas, uma referência a uma casa arrobada ou um lacre corrompido, pq eu me nego a acreditar que seja uma insinuação a violência sexual. E esse é um assunto que realmente me deixa aflita, sério mesmo. Estou ansiosa para descobrir um pouco mais da Theo e de sua força.

    Reply
  3. Cristiane Schwinden

    Tem coisa pior vindo pela frente… hehe

    Reply
  4. Cristiane Schwinden

    hauhauah Sam sendo lerda, tive que rir…
    Theo 2 tava bonzinho demais, ne? Precisei matar.
    Não acho que Lindsay alguma dia aceite a nova vida de Sam, então… paciência para todos nós.
    Obrigada 😉

    Reply
  5. Cristiane Schwinden

    Então vc vai morrer um pouquinho com o título do capítulo 32, "Violação".
    Inclusive será nesse capítulo que entenderemos de onde vem a força de Theo.
    Ainda bem que estão se acostumando com as pentelhações de Sam… rs. Pq ela vai fazer coisa pior em breve.
    Esse capítulo foi inspirado por Kill Bill e a Nina de Avenida Brasil hauhauhauha
    A próxima morte é um pouco controversa, mas vamos evitar spoilers. Depois tem outra morte, bem mais dramática.
    Essa é a pergunta que eu quis lançar: porque pagar milhões por uma simples prostituta fujona?
    Ótimo comentário, obrigada!

    Reply
  6. Cristiane Schwinden

    Jesus, Maria, José e o camelo!

    Reply
  7. Lai

    Lilic cadê vc aqui? ??
    Adorei o capítulo. ..Theo é xena mesmo viuu!!! Todos oa sentindops apurados e esqueceu de todos seus medos so pra salvar Sam.
    kitte, as pessoaa reagem de forma doder ao medo. Eu n sei, acho q ficarei paralisada…a força de Sam aparece por ativação rsrs.rsrs.As vezes é a fodona e as vezss é pior q uma árvore.
    Theo, n temos uma explicação coerente, nesae momento, mas deve existir. N qr colocar caramiolas na minjas cabeça. ..mmas ainda ireo testar se posso fazer isso q Theo fez…aareavssarei tb…aali em Morro de Sp viu Cris. ..mmas trnho medo de peixe entao alguém vai comigo. .ssempre penso q tem tubarão onde nntem..
    Sam sempre duvidando doa super poderes de Theo…mmas Deus pode ts e Theo n??TTodos podemos td,, mas esquecemos. .nna verdade a visão é uma bosta ela tem mt estímulos e termina anulando outros.Eu posso andar no escuro de olhos fechados e descer uma escada, na casa da sogra. .na minha as x bato pq acontece algo estanhoranho la..é mágica a porra daqiela casa..rsrs.Me bato em algo sempre. .
    E agora theo levou bala..sera q dwssa vwz a ninka sobrevive?
    Vc sentiu minja vontade de comentar? rsrs.To down, mas fiz esforço rs.
    Beijao

    Reply
    1. Schwinden (Post author)

      Marilia tirou férias dos comentários.
      Acho que nunca falei isso, mas saibam que tudo bem se não tiverem a fim de comentar, ok? Tipo, “ah, nesse cap não tenho nada a acrescentar”.
      Theo não é Xena, é um morcego. xD
      Sam tava sem ar dentro do caixote, parem de bater nela.
      Dia desses pegaram na rede um filhote de tubarão martelo na praia ao lado da que eu estava, em SC. Não é só Recife que tem esse privilégio não.
      Da próxima vez que vc vier pra cá, quem sabe combinamos de ir pra Morro.
      Coincidencia que tava lendo isso dia desses, que a visão atrapalha os outros sentidos.
      Obrigada por comentar mesmo down. Besos!

      Reply
  8. Divina Maria da Silva

    Este capítulo foi tenso!!!!

    Reply
  9. Nay Rosário

    Theo sendo Theo. Sam sendo lerda. Quase pus um ovo de nervosismo,mas to de boa. Não confiava em Theo 2. Ainda acho que Mike vai aprontar. Lindsay ao inves de ser pela irmã é por um cara que nem tem o sangue dela. Aff! Parentes. No mais é a congratulação de sempre,só esse suspense que é f***.

    Reply
  10. Maria Clara Batista

    Eu sempre fico aflita só em ler os títulos dos capítulos, esse então… Eu amo Theo a cada novo cap. ela é realmente uma super heroína e uma mulher de fibra. Inclusive,supera todos os outros herois, pois enquanto eles usam de super força ou apetrechos, ela vai com a cara e a coragem. A Sam novamente foi salva e destilou sua chatice, não me admiro mais, ela anda muito lezada. Adorei a inspiração de Kill Bill. Para mim Theodore teve seu fim merecido, poderia ter sido até mais dolorosa, mas tudo bem.rsrsrs Duas mortes já foram esclarecidas, falta mais uma, estou com medo que seja a Theo. Sinto que falta muita coisa a ser revelada sobre Ela, como assim Elias contratou dois mercenários com a promessa de pagar milhoes por uma simples prostituta? E uma prostituta rebelde diga-se de passagem. Acho que ela foi sequestrada por Elias com objetivo diferente do tráfico de mulheres para a prostituição, mas em razão dos seus contatos políticos ou por sua ligação familiar, a sua prostituição forçada, foi circunstancial. Continuando meu achismo, acredito que Theo tenha família abastada por isso ela ofereceu grande soma de dinheiro a Theodore, mas faz a linha garota rebelde que não precisa do dinheiro da família.

    Reply
  11. Edna

    Muito bommm! Penso que o medo de perder Sam, fez Théo agir assim, enfrentando tudo e todos… até agora, ela está sendo a grande heroína da história. Adorando 2121 cada vez mais! No aguardo do próximo capítulo e que seja breve.. rsr!

    Reply
    1. Schwinden (Post author)

      Quem diria que a cega seria a salvação de todos hein? rs
      Que bom que tá gostando, muito obrigada por vir comentar!

      Reply
  12. Te

    Super Theo a heroína cega mais poderosa universo rsrrsrs que capitulo foi esse meu Deus enterrada viva que coisa mais apavorante agustiante o que mais falta acontecer as nossas heroínas elas já levaram tiros foram espancadas inúmeras vezes principalmente a Theo realmente a vida dessas duas não é fácil adorando cada ainda mais esse conto a cada capítulo

    Reply
    1. Schwinden (Post author)

      Quem sabe Theo faça parte do próximo filme dos Vingadores, uma amiguinha para a Viuva Negra.
      Sobre as agruras que faltam passar, estou aberta a sugestões, quem sabe um incendio?

      Reply
  13. Diin Tvrs

    So 3 palavras pra esse cap:
    Aê deu Theo!!!

    Reply
    1. Schwinden (Post author)

      Theo tá bem a frente do placar. 😉

      Reply
  14. Kite

    A primeira coisa que pensei foi: Theo é muito ninja mesmo!

    Engraçado isso, como uma pessoa (Theo) que em teoria é a mais frágil, consegue encontrar motivação e força, mesmo que seja proveniente do alto nível de adrenalina para reverter um quadro improvável, ao mesmo tempo que a pessoa melhor equipada para a situação (Sam) consegue se manter paralizada pelo medo, tipo, a Sam tem uma prótese power plus que chuta ligas de ferro, um belo chute ali ajudaria muito, mas colocada diante de um de seus maiores medos não conseguiu reagir, ou ficou desacordada muito tempo, não sei, mas preferi acreditar que foi o medo.

    Theo é uma peça importante, seja por capricho, seja por outro motivo, mas Elias não a deixa em paz… Theodore era um sacana mesmo, fala sério viu, não consigo mais deixar uma abertura pra que tudo fizesse parte de um plano maior.

    Adorei o capítulo 😀

    Sam é muito nonsense, tadinha, Theo faz o impossível e ela sai com uma dessas…mas no fundo eu acho que também ficaria na dúvida…rs

    Reply
    1. Schwinden (Post author)

      A garota é bad ass, subestimamos seus talentos e instinto de sobrevivência. Acho que a paralisia de Sam foi mais pela falta de ar ali dentro, mas ela estava aterrorizada tb.
      Theo tem sua importância na história, já dei sinais que é mais que uma simples prostituta fugitiva. 😉
      E Sam é nonsense mesmo, isso é da personalidade dela, não vai melhorar muito.

      Reply
  15. mel

    Theo e um super herói (feminino), só pode… Que fôlego…. Próximo capitulo, por favor … Não nos torture… Bom demais…

    Reply
    1. Schwinden (Post author)

      Theo é a versão feminina do Demolidor…

      Reply
  16. Victoria de Freitas

    Arrimaria! Valha-me nossa sinhora!

    Que capítulo apreensivo!

    Reply
  17. ada

    um nó nas nossas cabeças vai ser fichinha depois desse cap, quase enfartei foi tensão demais…rsrsrsrs mas a Theo é demais …amei!!!

    Reply
    1. Schwinden (Post author)

      Foi uma coisa meio kill bill as cegas… Rs

      Reply
  18. Preguicella

    Próximo capítulo pelo amor de Deus!!! hahaha

    Reply
    1. Schwinden (Post author)

      Ta na mão 😉

      Reply

Deixe seu comentário